Costa Oeste…Sagres

Sagres, outrora Saacrum antigo local de culto aos deuses gregos  Saturno e Hércules e mais tarde denominado Chakrach durante o período árabe.

Encruzilhada de povos, peixes, aves e mamíferos aquáticos, fim de estrada para muitos que, vindos por terra e por mar ali se confrontaram com o grande oceano…o Atlântico.

Segundo os antigos,  não era permitido pernoitar no local pois a noite era   dos deuses que supostamente por ali  deambulavam …

Para além de todas as histórias, de partida e chegada de animais e povos desde tempos longínquos, do inicio das grandes epopeias marítimas e outros factos conhecidos,  a actual Sagres reserva-nos  aspectos de outra natureza… de paisagens avassaladoras e recantos  dos mais belos do mundo, de praias desertas com formações rochosas magníficas, de aves encantadoras que fazem  suas  as falésias onde se abrigam, cantam e nidificam tais como a Gralha-de-bico-vermelho (Pyrrhocorax pyrrhocorax), o  Falcão-peregrino (Falco peregrinus), a Cegonha-branca (Ciconia ciconia), a Águia-pesqueira (Pandion haliaetus) que até há pouco tempo ali nidificava e todas as outras que na passagem migratória ali se concentram.

Temos as plantas  que das 750,  100 são endémicas e 12 apenas se encontram no Parque Natural  como a Violeta-de-sagres (Viola arborescens), a Herniaria algarvica  a  Biscutela-vicentina (Biscutella sempervirens) ou o Tojo-de-sagres (Ulex erinaceus) para referir somente algumas.

É  o único local do mundo onde existe uma colónia de lontras de hábitos marinhos que utiliza os pequenos cursos de água para aceder às praias para pescar, existem ainda Linces-ibéricos, Raposas, Javalis,  Saca-rabos, Texugos, Ratos-de-água e o Rato-de-cabrera que é exlibris do Parque Natural…

Recentemente foi criado um percurso denominado “Rota vicentina” que permite aos amantes da Natureza percorrerem uma extensão de cerca de 350 km e ficar a conhecer inúmeros habitats que incluem charcos e lagoas temporárias, zonas de sequeiro, charnecas litorais, áreas de montado, barrancos, pinhais, falésias e zonas húmidas com variadíssimos pontos de interesse para os que pretendem conhecer e explorar esta região.

Por ali andei em inúmeras ocasiões desde a mais tenra idade. Quer levado pelo meu pai que era um aficionado da pesca, quer pelo mergulho, pela fotografia ou simplesmente pelo contacto com a natureza. Já percorri muitos trechos desta região surpreendente em caminhadas de apenas um dia até estadias mais prolongadas vivendo da abundância do marisco, da pesca e pelo puro prazer de simplesmente “estar”.

Deixo-vos aqui o convite…

Wild South

Where time goes at it’s own pace

West Coast … Sagres

Sagres, formerly Saacrum, an ancient place of worship for Saturn and Hercules greek gods, later called Chakrach during the Arabic period.

The coming together of people, fish, birds and aquatic mammels, the end of the road for many who come by land or by sea and who are confronted with the great Atlantic ocean.

According to the older people, it was not allowed to stay overnight as the night was for the gods who supposedly roamed around there.

Apart from all the stories of comming and going of ancient animals and people, of epic beginnings and other sea known facts, currently Sagres reserves other surprises of nature …the overwhelming landscapes and crannies, the most beautiful deserted beaches of the world with magnificent rock formations, enchanting birds which make the cliffs their home where they sing and nest such as the phyyhocorax pyrrhocorax, the penegrine falcon, the white stork, the osprey who until recently nested there as well as all other migratory birds.

Of our 750 plants, 100 are endemic and 12 of which are found only in the natural park such as the viola arborescens, the herniaria algarvica and the biscutela vincentian, or the ulex erinaceus to mention some.

It is the only place in the world where there is a colony of sea otters that use small waterways to acess beaches for fishing, there are also iberian lynx, foxes, boares, mongooses, badgers, water-mouses and the exlibris of the natural park: the microtus cabrerae.

The vincentina route was recently created, which allows nature lovers to roam 350 km, and get to know various habitats including swamps, ponds, drylands, riding areas, ravines, pine plantations, cliffs and wetlands, all of these having interesting sites to explore.

Since a tender early age I know this region, whether taken by my father, a fishing fan, diving, photography or simple contact with nature. I´ve devoured many km´s living on the abundance of seafood, fish and the sheer pleasure of being…

I leave my invite to you…

FGB

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s