Guadiana, um Parque Natural com uma História milenar.

Este rio de aproximadamente 800 km, percorre apenas 140  km dentro de território português, servindo de fronteira entre Portugal e Espanha nos restantes 100 km, até desaguar no Atlântico.

“O rio dos patos ” dos romanos ou o uadi ana dos mouros teria certamente outro nome para  outros povos peninsulares da época pré-romana que tiveram suma importância na vida e história deste rio, desde logo porque este era um acesso para quem saía por barco do mar Mediterrânico  ao interior Ibérico. Embora o seu troço navegável o seja apenas por aproximadamente 70 km, estes conduziam mercadores de todo o Oriente mediterrânico às riquezas do seu interior tais como  ouro, prata e cobre provenientes do que são hoje as Minas de São Domingos.

No último Milénio a.C. esta região era parte integrante da área de influência cultural e económica dos Tartessos – povo com um alto grau de sofisticação  a quem se atribui grandes conhecimentos de metalurgia e a criação de um tipo de escrita vulgarmente conhecida como ” Escrita do Sudoeste” de origem ainda pouco conhecida,que se encontra registada por todo o território do Algarve e Baixo Alentejo sob a forma de inscrições em pedra a que se dá o nome de Estelas, descobertas normalmente em antigos túmulos.

Saltando da História para a actualidade, hoje o Rio Guadiana reveste-se de outra importância: a ambiental; e por assim ser, foi criado o Parque Nacional do Vale do Guadiana em 1995.

Reconhecido pela sua riqueza em variedades de peixes, alguns dos quais raros e ameaçados como o saramugo, a boga-do-Guadiana ou o barbo-de-cabeça-pequena, esta região congrega uma variedade de animais desde anfíbios a morcegos, aves e plantas raras.

Entre as aves de rapina contam-se espécies como o Francelho, a Águia-de-bonelli, o Abutre-do-Egipto, a Águia-imperial-Ibérica, a Águia-real e o Bufo-real.

Nas estepes podem-se observar o Cortiçol-de-barriga-preta, a Abetarda, o  Sisão, o Tartaranhão-caçador, o Tartaranhão-azul, o Grifo e muitas outras aves.

No que toca a mamíferos  existe no rio uma colónia de Lontras considerada das mais importantes de Portugal e nas margens e vales adjacentes coexistem Veados, Gamos, Javalis, Linces, Raposas, Furões, Saca-rabos, Lebres e Coelhos..

É ainda uma zona catalogada como muito importante para a preservação do habitat mediterrânico tipo inserida numa paisagem protegida de rara beleza selvagem.

Propomos-lhe que faça uma visita guiada a estas paragens com a Algarve Selvagem para que fique por dentro do que de melhor o Sul tem para lhe oferecer como destino de férias na natureza.

Somos guias especializados e experientes pelo que não poderia estar em melhores mãos.

Contacte-nos e viva as  experiências que lhe proporcionamos em segurança e conforto.

Wild South

Where time goes at it’s own pace

Guadiana – a Natural Park with millennial history

The river with a millennial history, approximately 800km long, of which only 140km runs within Portuguese territory, serving as the borderline between Portugal and Spain before flowing into the Atlantic ocean.

The Duck river, as it was known by the Romans, or the Uadi ana to the Moors and certainly had other names known to peninsular populations from the pre-roman era which played an important role in the rivers life and history as it was access from the Mediterranean ocean to the Iberian inland.

The 70km navigable of the river brought goods such as gold, silver and copper from where we know today as Mina de São Domingos to the eastern Mediterranean.

During the last millennium BC this region had an integral part of cultural and economical influence of the Tartessos – a highly sophisticated nation who were credited for their knowledge in metallurgy and for creating a script known as South Western Script, traces of which is found all over the Algarve and Alentejo in rock inscriptions called stelae, usually found in ancient tombs.

Jumping history, presently the Guadiana river is of environmental importance, and so the national park of the Vale do Guadiana was created in 1995.
Renown for its rich variety in fish such as saramugo, boga-do-guadiana and small headed barbel. This region unites fish, amphibians birds and rare plants.

To mention some of the birds of prey : the lesser kestrel, the Bonellis eagle, the egyptian vulture, the iberian imperial eagle, the golden eagle and the eagle owl..
You can also spot the black-bellied grouse, the great bustard, the little bustard, the harrier, the griffin and many other birds.

In the river exists what is to be believed as Portugal’s most important colony of river otters, and on the riverbanks co-exist deer, fallow deer, boar, lynx, fox, ferret, mongoose, rabbits and hares.

The guadiana is cataloged as very important to Mediterranean habitat inserted in a protected landscape of rare, wild beauty.

We propose that you take a guided tour to these river banks with Algarve Selvagem. You will be in the best hands with our skilled guides in an adventure, experiencing the best of what the south has to offer as a nature destination.
Contact us for this exclusive experience…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s